Pubicado em: sex, abr 8th, 2016

Médicos devem comunicar sobre caxumba

foto: Internet

foto: Internet

A Secretaria de Saúde de Florianópolis comunica aos profissionais de saúde do município que casos agregados de caxumba, com vinculação entre eles, devem ser notificados à Vigilância Epidemiológica para que haja investigação
sobre a possibilidade de surto da doença. Desde meados de março, alguns casos vêm sendo relacionados nas redes sociais. No entanto, não está ocorrendo a devida notificação ao órgão de saúde responsável.

A caxumba não é agravo de notificação compulsória – não é considerada, de maneira isolada, de importância para a saúde pública. Entretanto, surtos (casos agregados, com vinculação entre eles) são de notificação obrigatória
e devem ser comunicados para a Vigilância Epidemiológica, sob risco de responsabilização por omissão de informação obrigatória a autoridade de saúde pública.

A Secretaria de Saúde recebeu, até esta quinta-feira, quatro notificações de surtos que estão sendo investigadas no momento, um total de 45 pessoas. Todas as medidas de bloqueio estão sendo adotadas, incluindo a distribuição de 800 doses de vacina, até agora, nos locais onde houve registro de casos.

A principal medida de prevenção é manter o calendário de vacinação em dia, já que a caxumba é uma doença imunoprevenível. A vacina está disponível para crianças e adultos nos centros de saúde do município.

Além disso, é importante lembrar que a caxumba é transmitida através de gotículas de saliva das pessoas afetadas, então o afastamento dos doentes do trabalho, escola, etc, manter os ambientes arejados e lavar as mãos
frequentemente são medidas universais que devem ser adotadas sempre.

(Secom/PMF)

Sobre o Autor

- Jornalista - (MT/SC 047/04) - Formada pela Universidade Federal de Santa Catarina, já atuou como editora/produtora de TV, em Florianópolis; colunista, correspondente internacional e repórter, no RJ; repórter de TV no Chile; assessora de comunicação SES/RS; redatora e produtora Rádio Eldorado.